Novembro 7, 2011

Auto-Mutilação

O que é?

Auto-mutilação, é definida como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão directa ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os actos geralmente têm como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Borderline.

As formas mais frequentes de auto-mutilação são:

  • cortar a própria pele,
  • bater em si mesmo,
  • queimar-se,
  • arranhar,
  • enfiar agulhas,
  • partir os ossos.

O auto-mutilador tende a ter grandes dificuldades para se expressar verbal ou emocionalmente, portanto, não consegue falar publicamente sobre suas angústias nem chorar diante de outras pessoas. Há relatos de pessoas que com o passar do tempo sentem-se incapazes de chorar até mesmo quando estão sozinhas. Essa dificuldade de expressão acaba, em muitos casos, sendo um forte factor que desencadeia o comportamento auto-mutilador. Alguns indivíduos afirmam que escrever (textos, poemas, contos, músicas, etc.) lhes parece de grande ajuda, como uma forma de expressar suas emoções, o que não conseguem fazer de outras formas. Desse modo, a necessidade de se auto-mutilar diminui significantemente.

Não possui amor próprio e usualmente define a si mesmo como sendo “um lixo humano, uma criatura insuficiente e fracassada, que não tem direito de conviver com os demais“. Desse modo, alguns tendem a se afastar da família e dos amigos, buscando poupa-los do mal que presumem ser a sua presença.

Geralmente afirmam auto-mutilar-se com a intenção de interromper uma dor emocional muito forte. A maioria alega se tratar “de uma espécie de troca, da dor emocional pela dor física“. Além disso, vários auto-mutiladores se ferem também como uma forma de punição, por se sentirem insuficientes e fracassados. Todos eles descrevem o desejo auto-mutilador como algo incontrolável, como um vício do qual, ainda que queiram, não conseguem se libertar.

Logo após uma crise, em que o auto-mutilador fere o próprio corpo ou apresenta qualquer outro comportamento auto-agressivo, o sentimento que permanece é, geralmente, de culpabilidade. O indivíduo geralmente chora muito e a sensação de fracasso é extrema.

Possui extrema dificuldade em falar sobre si mesmo, principalmente sobre a doença.

Jorge Venceslau